mesa redonda
-
07

Processos Eleitorais na América Latina: Balanço político e principais tendências da região

A Terceira Onda Democrática na América Latina acaba de completar 35 anos. Nos anos 80 e 90, o reestabelecimento das instituições democráticas e o controle da inflação eram os principais desafios a serem superados. Na última década, acelerado crescimento econômico e acentuada redução da pobreza e extrema pobreza foram pautas centrais das disputas eleitorais na região. Contudo, em 2013, o CEPAL apontou para a desaceleração da economia. Simultaneamente, nas ruas de alguns países, movimentos reivindicam mais representação, mais transparência, mais seriedade na condução dos recursos públicos e melhoria nos serviços públicos prestados, sobretudo no transporte, segurança, saúde e educação.  Junto com as reivindicações, de caráter não partidário a priori, tem-se o incremento da polarização de ideias e da violência política. Diante deste cenário, Daniel Zovatto coloca: “Em La totalidad de estos processos (eleitorales), la marcha de la economia, el nivel de conflictividad social y coyunturas específicas nacionales desempeñarán un papel determinante. Y con seguridad, en todos estos países la gobernabilidad será más compleja.”(jornal El País em 23 de dezembro de 2013). Como os recentes eventos vem impactando nos processos eleitorais e a governabilidade na América Latina é a pergunta que motiva esta mesa.

quarta-feira, 6 de Agosto de 2014 - 08:30

Coordenadores

Luciana Fernandes Veiga (UFPR - Universidade Federal do Paraná)

Debatedores

André Marenco (UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

Expositores

Matthew M. Singer (University of Connecticut)
Flávia Freidenberg (Universidad de Salamanca)
André Singer (USP - Universidade de São Paulo)