sessão de pôster
-
10

Gênero, Democracia e Políticas Públicas 1

terça-feira, 5 de Agosto de 2014 - 18:30

Debatedores

Jussara Reis Prá (UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

Apresentações

Quebrando Barreiras: O Perfil das mulheres nas Assembleias Legislativas em todo o País

O trabalho tem como objetivo discutir as diversas vertentes teóricas e empíricas que permeiam a participação feminina, nas instâncias representativas da democracia formal. Onde o foco principal o debate sobre o perfil das mulheres que compõe as casas legislativas em todo o país e os mecanismos que influenciam diretamente na sub-representação das mulheres no campo político. Os aspectos da carreira política (capital político, escolaridade, posição ideológica e partidos políticos), levando em consideração os aspectos das distinções regionais( aspectos econômicos e sociais dos estados). Assim, será observado existem distinções nas carreiras políticas femininas estão relacionadas a fatores externos, como a construção das elites políticas regionais. Neste sentido, com base nas vertentes explicativas ventiladas pela literatura e as próprias variáveis apresentadas pela pesquisa, o objetivo fundamental da secção esta pautado no esforço de responder quem são as deputadas estaduais eleitas em 2010. Alem de compreender se existem diferenças nas carreias políticas das mulheres nas regiões brasileiras, problematizando os vínculos sociais e profissionais das 133 deputadas estaduais eleitas no Brasil em 2010.

Camila Goulart de Campos
Representação política e antecedentes pessoas de vereadores/as paraenses: Eleições 2008

O projeto Mulheres na política: histórias de percursos e de práticas e as discussões no Grupo de Estudos Interdisciplinares de Gênero - GEPEM/UFPA propiciaram este trabalho. Consiste na questão representação social e politica onde se delineiam identidades femininas e masculinas apresentando marcas construídas nas relações de gênero. Assim, estabeleceu-se relação entre o que se constrói no caráter público e privado considerando a perspectiva do espaço social e político. A metodologia utilizou entrevistas aplicadas a 8 vereadores/as eleitos em 2008/Breves/PA, permitindo acesso à memória dos agentes, o vínculo identitário e trajetória pessoal, extraindo-se aspectos responsáveis ao empoderamento deles/as na arena política, evidenciando antecedentes sociais e trajetórias políticas. Objetivou-se a exposição dos canais utilizados por eles/elas no acesso a espaços de decisão política e relações de poder. O resultado revelou que os agentes possuem acúmulos de capital em três campos principais: familiar, político e profissional. Porém, o ambiente público e político são representativamente construídos como masculinos, obrigando mulheres a enfrentarem barreiras culturais não vividas pelo homem antes de chegarem à competição na arena política.

Nilson Almeida de Sousa Filho
Trajetória de ingresso das mulheres vereadoras: a herança masculina e o impacto na sua atuação política

Este pôster pretende apresentar a discussão teórica, metodológica e alguns resultados parciais do projeto de pesquisa que esta sendo desenvolvido na tentativa de investigar a atuação de 941 vereadoras eleitas em 2012 nos 853 municípios do estado de Minas Gerais através de um survey. O objetivo é estudar as trajetórias,e as diferentes formas pelas quais as mulheres ingressam na política, no nível municipal, e os impactos de diferentes trajetórias sobre suas percepções e sobre seu comportamento depois de eleitas. Para investigar se o ingresso na carreira política de uma mulher impacta na atuação dela durante a vereança foi criada a ‘variável independente’, TRAJETÓRIA, construída através de dois tipos principais: a (1) Herdeira, que possuí herança política masculina, através dos seguintes tipos de vinculo: Marido, Pai e Irmão, subdividida em dois subtipos: a) tipo puro: sem envolvimento anterior com a política e/ou em movimentos sociais, associações, ONG’s e etc; e b) Intermediário: que pode mesclar herança política e participação política. Já o segundo tipo, seria a (2) Independente: subtipo a) tipo puro: sem nenhum tipo de herança política masculina. Assim perceber como a trajetória impacta no comportamento das vereadoras.

Astrid Sarmento Cosac
Uruguaias na política: A criação das Alcaldías e o desempenho feminino nas primeiras eleições municipais do Uruguai (2010-2015)

O trabalho tem a finalidade de analisar o desempenho eleitoral feminino nas primeiras eleições municipais do País, institucionalizados em 2009 pela Lei das Alcaldías. Além disso, também objetiva problematizar os resultados, ao considerar as polêmicas e os debates que se desenrolaram durante a instalação das autarquias locais. A criação deste terceiro nível de governo corresponde a uma novidade institucional no País, pois até então a máquina administrativa era composta apenas pelos níveis nacional e departamental e, com a descentralização, foram criados 89 municípios. Pouco investimento partidário e falta de esclarecimento aos votantes marcaram o pleito, contudo, contornando os problemas, as eleições foram realizadas. Foram eleitas 17 mulheres para o cargo de Alcalde e outras 67 para o cargo de Concejal (em um universo de 89 e 356 cargos em disputa, respectivamente), isto é, aproximadamente 20% das vagas em disputa, nos dois cenários. Os percentuais, embora comedidos, são surpreendentes, dada a tímida presença de mulheres nas outras instâncias governamentais do País. Situação que estimulou a pesquisa a levantar algumas indagações sobre o circuito eleitoral, bem como sobre os limites e potencialidades da nova forma administrativa.

Marina dos Santos Landa