sessão de pôster
-
12

Eleições e Representação Política 1

terça-feira, 5 de Agosto de 2014 - 18:30

Debatedores

Denise Paiva Ferreira (UFG - Universidade Federal de Goiás)

Apresentações

PFL/DEM e PSDB: uma análise das Comissões Executivas Nacionais

O presente trabalho analisa a estrutura organizacional do PFL/DEM e PSDB, por meio de uma comparação histórica desde a fundação dos partidos até as Executivas eleitas em 2011 (com mandato até 2014 e 2013 respectivamente). O objetivo é analisar o processo de oligarquização das cúpulas, com ênfase na Executiva Nacional como órgão dirigente mais importante do partido. Para tanto busca relacionar autores clássico sobre partidos políticos e teoria das elites, como Michels e Duverger, com artigos atuais sobre ambos os partidos. Além disso, faz um estudo empírico sobre os graus de oligarquia do partido, com base nos indicadores de Schonfeld, calculando a taxa de permanência, renovação e substituição. Foram formuladas hipóteses sobre os valores encontrados, por meio de uma comparação intra e interpartidárias e situações tanto endógenas quanto exógenas que possam ter afetado esses valores. Outro objetivo é realizar uma análise do perfil dos dirigentes das Executivas, avaliando se são parlamentares ou não. A pesquisa está relacionada com o Centro de Estudos de Partidos Políticos (CEPP) da UFSCar e contou com o apoio financeiro da CAPES de 2012 a julho de 2013 e atualmente com a bolsa de Iniciação Científica da FAPESP(processo 2013/22394-0).

Brina Deponte Leveguen
Análise organizacional das juventudes partidárias do PSDB e PT no Estado de São Paulo

A pesquisa investiga as juventudes partidárias do PT e PSDB no Estado de São Paulo questionando seu modo organizacional e suas relações com os partidos, e se elas são um espaço propício à formação de novas lideranças. O trabalho busca validar as seguintes hipóteses: 1)As juventudes partidárias de PT e PSDB são canais que contribuem para impulsionar a carreira política, favorecendo a obtenção de cargos por jovens nas esferas representativas e de governo,ou dentro do partido.2)Os órgãos de juventude ocupam lugar institucional importante na máquina do partido. Utilizando métodos qualitativos: análise documental e entrevistas semi-estruturadas com as lideranças jovens;e quantitativos: questionários enviados para jovens militantes. Apresentando os seguintes resultados: as juventudes são periféricas dentro das estruturas decisórias centrais,porém assumem um papel substancial na educação e perpetuação institucional mediante treinamento e seleção dos jovens,que inseridos dentro de estruturas de oportunidades são cooptados via incentivos seletivos e subvencionam uma dinâmica de renovação dirigida. Pesquisa de iniciação cientifica com bolsa da FAPESP (processo 2013/00452-9) e integra o Centro de Estudos de Partidos Políticos (CEPP) /UFSCar.

Luís Gustavo Bruno Locatelli
Programas partidários e manifestos: o que pensam os partidos de direta do Brasil, Chile e Uruguai

O objetivo do trabalho é analisar o conteúdo dos programas partidários de alguns partidos de direita do Brasil, Chile e Uruguai. A hipótese testada neste trabalho é que os partidos de mesmo posicionamento ideológico apresentam diferentes abordagens diante de alguns temas. Os partidos estudados são: DEM e PP do Brasil, UDI e RN do Chile e PN do Uruguai. Foram analisados os programas partidários, manifestos e declarações de princípios dos partidos. O recorte do objeto se fez por serem documentos públicos disponibilizados pelos partidos com a finalidade de apresentarem os posicionamentos políticos. A metodologia utilizada foi desenvolvida pelo Manifesto Research Group, que consiste na analise quantitativa dos documentos através da classificação das quasi-sentence em uma das cinquenta e seis categorias de análise. O MRG desenvolveu uma escala para analises de posicionamento ideológico dos partidos a partir dos seus documentos. Como resultado desta análise encontramos diferentes posicionamentos no continuum ideológico direita-esquerda entre os partidos. Comparativamente os partidos chilenos apresentam um posicionamento mais a direita, o partido uruguaio apresenta-se mais ao centro e os brasileiros uma leve posição mais a esquerda.

Flávia Roberta Babireski