sessão de pôster
-
17

Comunicação política e opinião pública 2

quinta-feira, 7 de Agosto de 2014 - 18:30

Debatedores

Fernando Filgueiras (UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais)

Apresentações

Medindo o engajamento dos partidos políticos brasileiros na profissionalização das suas campanhas eleitorais

A profissionalização das campanhas eleitorais é um fenômeno recente, amplo e que manifesta características distintas nos contextos políticos em que é tomado para análise; discutido como um indicador da modernização de campanhas eleitorais. Trata-se do recrutamento de corpo especializado por partidos competitivos para gestão de suas campanhas eleitorais e da adoção de novas estratégias e técnicas de campanha. Assim, temos como principal objetivo deste projeto, mensarar o grau de profissionalização das campanhas eleitorais em que estão engajados os partidos políticos brasileiros. Para tanto, a unidade de análise é a campanha municipal de 2012 da cidade de Sorocaba-SP, especificamente, as candidaturas ao poder executivo lançadas pelos partidos políticos que formaram o pleito.

Mércia Alves
As Eleições Proporcionais de 2012 em Curitiba e a utilização do HGPE pelos Partidos

O presente trabalho trata-se de uma pesquisa sobre o HGPE (Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral) em Curitiba referente à campanha de 2012 para vereadores com o objetivo de identificar qual o tempo que os partidos e coligações ocuparam no período. No mesmo, analisar-se-a qual o tempo e espaço de HGPE distribuído para os candidatos dos partidos coligados comparando com os não coligados. A metodologia utilizada é de pesquisa quantitativa de análise de conteúdo e permite identificar quantos candidatos foram inscritos para o pleito e quantos destes foram contemplados com HGPE pelos partidos. A hipótese do trabalho é que os partidos tratam os candidatos de maneira distinta, deixando alguns sem espaço no HGPE. Os resultados preliminares demonstram que os partidos e coligações consideram pertinente o espaço na propaganda eleitoral, pois incluíram a maioria dos candidatos no HGPE proporcional. Afinal, foram 752 candidatos registrados, sendo que 598 candidatos tiveram ao menos uma inserção no HGPE, ou seja, 21,5% se candidataram, mas não apareceram no HGPE.

Romer Mottinha Santos
Mariel Doane da Silva Ramos
Partidos no governo e usos da internet

O trabalho discorre objetivamente sobre a análise de sites governamentais em nível subnacional no Brasil, agregando dados empíricos pensando nas instituições das unidades estaduais brasileiras nesse amplo debate sobre a relação internet e política. Foram avaliados para fins desse trabalho os web sites dos governos dos estados da Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. Tomamos como considerações que o uso da internet pelos governos subnacionais ainda é um tema em aberto para maiores reflexões e que, sua aplicação prática, ao mesmo tempo em que pode contribuir na alteração de toda uma estrutura de Estado e ampliar os espaços democráticos, ainda sofre com problemas de conjunturas institucionais, como o papel de atores políticos e, com questões externas, a exemplo da democratização tecnológica e da cultura política. Apresentamos como considerações que os partidos têm pouca influência quanto aos fornecimento de sites governamentais que disponibilizem informação, transparência e participação, o que é aqui apresentado como um problema para uma proposta de democracia digital que busca agregar as valores da democracia participativa para incrementar a democracia representativa.

Joscimar Souza Silva