sessão de pôster
-
27

Eleições e Representação Política 3

quinta-feira, 7 de Agosto de 2014 - 18:30

Debatedores

Vitor de Moraes Peixoto (UENF - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro)

Apresentações

Histórico de reformas políticas na Argentina e o financiamento de campanhas eleitorais

Nos últimos doze anos o sistema eleitoral argentino sofreu diversas modificações nas regras que regem o financiamento de seus partidos e campanhas eleitorais. Desde a promulgação da Lei Orgânica Partidos Políticos em 1985, três novas leis que versam sobre o tema foram elaboradas. O artigo visa fazer uma revisão histórica desses quatro textos legais que regulam a relação entre dinheiro e política na Argentina, apontando as modificações introduzidas por cada uma das leis e o caminho para o qual o sistema da financiamento político argentino vem se direcionando. A análise se foca em variáveis que cobrem bem as condições legais de entrada e saída de recursos financeiros nos partidos e em suas campanhas e que já vem sendo utilizadas como meios de categorização e de análise dos sistemas de financiamento partidários e eleitorais. Essas variáveis serão dividas em três grupos: aportes públicos; aportes privados; e a saída de recursos. Demonstra, por fim, que as diversas reformas realizadas na Argentina produziu mudanças extremamente benéficas ao sistema político partidário e atuaram no sentido de democratizar as eleições, dando aos partidos condições mais equânimes de participação no pleito e privilegiando a competitividade política.

Marcelo B. Miranda Borel
Avaliação do presidente e percepção do desempenho do incumbente na América Latina: o voto econômico nas eleições entre 2004 e 2012

O objetivo deste trabalho é verificar o que pesou na avaliação positiva do presidente latino-americano entre 2004 e 2012. Buscou-se investigar se a avaliação positiva dos incumbentes esteve influenciada pelo desempenho econômico e atuação dos presidentes sobre políticas públicas. Nossa hipótese é operacionalizada pelas variáveis da literatura do voto econômico e incorpora, além de ideologia, variáveis que medem desempenho dos presidentes em matérias não econômicas. Para atingir tal objetivo, elaboramos banco de dados agregados contendo dados subjetivos (surveys) e objetivos de economia e políticas públicas. Foram analisadas 36 eleições. Os resultados indicam a existência do comportamento racional entre os eleitores da região. A regressão hierárquica demonstrou que os dados relativos à percepção do desempenho do mandatário têm impacto sobre a avaliação positiva do mesmo. Já os dados objetivos de crescimento econômico e investimento social não impactam diretamente na avaliação do presidente. Contudo, se mostram capazes de explicar as variáveis de percepção do desempenho do presidente, indicando impacto indireto na avaliação positiva do líder, posto que contribuem para a formação de preferências subjetivas do eleitor.

Flávia Bozza Martins
O fenômeno da compra de votos em São Paulo: Análise dos processos judiciais 2000-2010

A presente pesquisa se propõe a analisar o fenômeno da compra de votos no estado de São Paulo a partir dos processos judiciais abertos na Justiça Eleitoral com esse objeto, no período entre 2000 a 2010. A escolha por essa abordagem se dá por não existir, na literatura sobre o tema no Brasil, pesquisa que tenha se dedicado a sumarizar os dados sobre compra de votos a partir dos processos judiciais. A primeira etapa da pesquisa consiste na descrição pormenorizada do fenômeno da compra de votos a partir das informações disponíveis nos processos judiciais, evidenciando quais são os municípios em que se verifica maior incidência de denúncias de compra de votos, suas características populacionais, econômicas e de infraestrutura, assim como os elementos subjacentes às denúncias, tais como acusados e denunciantes, tipos de benesses oferecidas, partidos políticos envolvidos, dentre outros. Preliminarmente, os resultados apontam para a maior incidência da prática da compra de votos em municípios pequenos, com baixa renda e escolaridade, para a variedade de benesses oferecidas em troca do voto, assim como para a incorporação da ferramenta da denúncia de compra de votos na dinâmica da concorrência eleitoral pelos partidos políticos.

Danilo Praxedes Barboza
Visões da Política por Empregadas Domésticas: Um estudo de caso durante as eleições à Prefeitura da Cidade de São Paulo em 2012

Mudanças nas condições de vida levaram grupos sociais a ter outra percepção da realidade. Como aponta Singer, o surgimento do Lulismo – fenômeno político que conjuga programa de reformismo fraco dentro da ordem com avanços sociais que beneficiaram grande parcela da população - teve, como resultado, o realinhamento eleitoral e impactou, principalmente, no comportamento político da classe chamada de “subproletariado”.
Parece-nos então que há sinais de que certa classe social em ascenção tenha adquirido relevância para o debate em torno das eleições, sendo possível, inclusive, que tenha passado a ser essencial para a decisão dos pleitos no Brasil. Não que anteriormente não fizessem diferença nas eleições. Contudo, pode ser que, pela primeira vez em muito tempo, o olhar da política tenha se deslocado para outra chave: O que as classes mais baixas pensam sobre política? E como agem eleitoralmente frente a essas mudanças?
Com tais questões em mente, propusemo-nos a estudar fazer um estudo de caso de uma fração dessa classe em ascensão, nomeadamente as empregadas domésticas, indagando-as sobre suas visões de mundo e sobre suas opiniões acerca da política nacional e, especificamente, das eleições para prefeito de São Paulo em 2012.

Juliana Moura Bueno