sessão de pôster
-
28

Eleições e Representação Política 4

quinta-feira, 7 de Agosto de 2014 - 18:30

Debatedores

Silvana Krause (UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

Apresentações

Alianças e polarização: um estudo sobre o impacto de características contextuais e organizacionais na relação PT-PSDB nas eleições municipais

O Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) protagonizam desde 1994 a disputa pela Presidência da República no Brasil. Desde essa eleição, PT e PSDB se estabeleceram como principais concorrentes na esfera nacional, de maneira que se pode verificar alto grau de polarização entre tais partidos. Contudo, estudos como os de Anastasia, Meira e Nunes (2010), Machado e Miguel (2010) e Peixoto (2010) apontam diferentes lógicas que operam no nível subnacional, onde PT e PSDB se coligam, o que corrobora com a perspectiva de Lima Júnior (1980) segundo a qual escolhas feitas pelos partidos políticos nos estados não se orientam pela estratégia nacional, mas pelo tamanho e pela força relativa do partido no contexto local. Assim, a presente proposta pretende investigar o impacto de características contextuais (porte do município e nível de desenvolvimento) e organizacionais (existência de diretório ou comissão e número de filiados) sobre as decisões das elites políticas e partidárias referente às coligações nas eleições municipais, destacando as estratégias do PT e do PSDB no pleito de 2012 em Minas Gerais, para verificar em que medida e sob que condições a polarização nacional se reproduz no nível local.

Nara Oliveira Salles
Coligações eleitorais municipais na nova democracia brasileira: influência do partido do governador nas eleições para prefeitos

O estudo das coligações eleitorais é um tema fértil e explorado na Ciência Política brasileira que se ocupa principalmente na análise do desenvolvimento dos partidos e do sistema partidário da nova democracia brasileira. A pesquisa visa entender o padrão e evolução das coligações nas eleições para prefeitos em Goiás no período da nova democracia brasileira, fazendo uma análise comparativa das coligações nas eleições entre os anos de 1988 e 2012. O objetivo principal é compreender, de forma comparada, o desenvolvimento das coligações eleitorais realizadas nas disputas para os executivos municipais no Estado de Goiás e verificar se o fato de um partido estar ocupando o executivo estadual aumenta sua capacidade de agregar um maior número de aliados em torno de si, nas eleições municipais. Os estudos realizados sobre as coligações eleitorais na nova democracia apresentam um fenômeno chamado de “governismo”, que é a capacidade do Poder Executivo estadual em influenciar a dinâmica das coligações nos municípios. Este estudo mostra a força do Poder Executivo estadual em Goiás na consolidação dos partidos na política regional, identificando que o executivo estadual exerce um papel central na dinâmica das alianças eleitorais nos municípios.

Josimar Gonçalves da Silva
Organização partidária e voto: um estudo do desempenho eleitoral nas eleições de 2010 para deputado federal e estadual no estado de São Paulo

No Brasil, a organização partidária é um tema em desenvolvimento. Autores como Braga (2008) e Guarnieri (2011) focam na relação entre organização e seleção de candidatos, enquanto Ribeiro (2013) trata das estruturas decisórias a partir dos estatutos partidários. Tendo em vista algumas discussões recentes, pretende-se explorar uma relação que pouco se sabe: entre organização e desempenho eleitoral dos partidos. Órgãos partidários (Comissões Provisórias ou Diretórios) e porcentagem de filiados em cada município são as variáveis independentes. O recorte temporal são as eleições de 2010 para deputado estadual e federal, no estado de São Paulo, cuja escolha se deve ao fato de que esta pesquisa de iniciação científica se insere em um projeto temático FAPESP, que busca compreender a política representativa no estado. Acompanhando a estrutura deste projeto, serão trabalhados 10 partidos (DEM, PDT, PT, PMDB, PSB, PTB, PSDB, PR, PP e PPS). Uma análise preliminar dos dados mostra que há associação entre a porcentagem de filiados e a de votos para alguns partidos (DEM, PMDB, PSDB e PT). A metodologia utilizada é o tratamento estatístico (SPSS e Excel) dos dados de filiados e de órgãos partidários, retirados do TSE.

Jean Lucas Macedo Fernandes