sessão de pôster
-
32

Teoria Política 2

quinta-feira, 7 de Agosto de 2014 - 18:30

Debatedores

Luciana Maria de Aragão Ballestrin (UFPel - Universidade Federal de Pelotas)

Apresentações

Novos Rumos da Teoria Democrática: A Teoria Deliberativa e as suas contribuições para um projeto emancipatório nas democracias contemporâneas

 O surgimento e desenvolvimento da Teoria Deliberativa trouxe para o campo da Ciência Política e da Gestão Pública um legado fundamental para os novos rumos que a Teoria Democrática vem tomando nas duas últimas décadas. Parte desse legado, vale ressaltar, é fruto da tradição crítica a qual pertence a Teoria Deliberativa. Das origens marxistas, tal tradição herdou a importância de se remeter diagnósticos contínuos das sociedades, identificando limitações e possibilidades á emancipação dos indivíduos. Nesse sentido, os teóricos deliberativos concentraram seus esforços em pautarem as limitações da democracia representativa e da Teoria da Escolha Racional. Também, identificando possibilidades de emancipação na ampliação da participação e da deliberação nas democracias.
Nesse cenário, o trabalho proposto discute as contribuições da Teoria Deliberativa em duas dimensões centrais. A primeira delas, retrata os aportes trazidos á Teoria Democrática no sentido de aprofundamento das democracias contemporâneas. Também, no fato de que a Teoria Deliberativa parte da impossibilidade da democracia num projeto emancipatório identificada pela primeira geração da Escola de Frankfurt a esfera pública habermasiana.
 

Débora Cerqueira Vales
O Debate entre Rawls e Habermas: uma análise acerca do limite entre as esferas pública e privada

Este trabalho propõe realizar uma análise comparativa do debate entre Rawls e Habermas, que ocorreu principalmente após a publicação de O Liberalismo Político. Não se pretende apenas descrever e discutir as críticas levantadas pelos autores, mas, principalmente, por meio dos embates, das convergências e divergências de ambos, busca-se compreender as diferenças de concepções e de relações entre público e privado, que por sua vez toca no entendimento dos autores sobre as liberdades ou direitos fundamentais. A objeção habermasiana que interessa a este trabalho corresponde à crítica das liberdades fundamentais como pré-políticas. Para o autor, a teoria rawlsiana constrói um Estado de direito que subordina o princípio de legitimação democrática a direitos liberais fundamentais. Nesse sentido, o campo do privado, referente às liberdade fundamentais, é visto como uma negação da participação política compreendida como poder comunicativamente gerado pelos cidadãos. Porém, é necessário problematizar a acusação habermasiana acerca do limite rígido entre público e privado e, por consequência de tal dicotomização, questionar em que medida haveria também um limite rígido entre a identidade pública e não-pública dos cidadãos na teoria de Rawls.

Lilian Sendretti Rodrigues Macedo
Democracia Radical: um projeto político para a esquerda

Nas últimas décadas mudanças no cenário político e transformações na estrutura social, desafiaram as teorias explicativas do campo das ciências sociais. Desde então, as reflexões dos intelectuais de esquerda têm se voltado a explicar temas de ordem totalmente nova. O teórico político Ernesto Laclau, emergiu como um dos grandes teóricos a propor esse debate, e desenvolveu um projeto político próprio. A democracia radical e plural, apresentada no último capítulo de Hegemonia e Estratégia Socialista em 1985, baseou-se numa expectativa extremamente positiva da democracia como modelo já experimentado pelos liberais e que deveria ser apropriado pela esquerda de forma ampliada e radical. No entanto, o projeto político do autor parece ter mudando desde a publicação da referida obra se comparado ao seu último trabalho, A Razão Populista (2005), em que trata do populismo como forma legítima de construção do social. Este trabalho é uma analise do desenvolvimento do projeto político laclauniano entre a publicação destas duas já citadas obras.

Kamila Lima do Nascimento
Teoria da Ideologia para Pensar uma Nova Metodologia de Classificação dos Partidos Brasileiros

O presente trabalho é parte de um projeto de pesquisa que tem como cerne apresentar uma nova metodologia de classificação ideológica dos partidos políticos brasileiros, levando em consideração a possível mudança estrutural ocorrida no cenário político com a ascensão do PT ao poder executivo federal em 2003. Neste espectro, adota-se uma noção de ideologia distinta daquela que cinde discurso e prática e, portanto, pressupõe atores que agem “com” ou “sem” ideologia. Em oposição, o viés pós-fundacionalista adotado neste trabalho preconiza a materialidade do discurso, ou seja, a impossibilidade de distingui-lo da prática, estando, portanto, toda atividade social inserida em uma prática discursiva. O discurso, para esta corrente teórica, almeja constantemente auferir uma fixação última de sentidos o que, no limite, é impossível, posto que o social é constitutivamente destituído de fundamento. Neste aspecto, a ideologia mostra-se como instrumento constitutivo do discurso à medida que serve como estruturante da realidade social por fazer com que os discursos continuem “suturando” seus sentidos.

Larissa Russo Gonçalves
A Revolução Cubana e o pensamento marxista latino-americano: o caso do movimento trotskista (1959-1974)

O pensamento marxista latino-americano entra em um novo período quando os revolucionários cubanos conquistam o poder. Esse novo período é caracterizado pela revisão de modelos etapistas de revolução, propagados pelos partidos comunistas, e pelas inovações quanto aos métodos e aos atores envolvidos no processo revolucionário. Dessa forma, a Revolução Cubana influencia e define o projeto político da esquerda latino-americana, promovendo mudanças significativas em sua atuação prática. Dentre os diversos substratos de esquerda impactados por essa mudança está o movimento trotskista, que busca novas formulações teóricas e práticas, ao mesmo tempo em que reafirma posições anteriormente adotadas. Esse pôster buscará compreender as análises do trotskismo latino-americano com base em duas organizações atuantes no continente: o Bureau Latino Americano (BLA) e o Secretariado Latino Americano do Trotskismo Ortodoxo (SLATO). Buscaremos analisar as especificidades na interpretação dessas duas organizações e suas contribuições para o marxismo latino-americano.

Isabella Duarte Pinto Meucci