Entrevista: Confira os planos da nova diretoria da Regional Sudeste da ABCP

Dando sequência à série de entrevistas com as novas diretorias regionais da ABCP, recebemos a diretoria da Regional Sudeste, composta por Alexandre Fuccille (Diretor Regional), Soraia Marcelino Vieira (Vice-Diretora) e Diogo Tourino de Sousa (Secretário Executivo Regional).

Abaixo, você confere as suas expectativas para o mandato 2019-2021.

O que os motivou a aceitar esse desafio e quais são as linhas prioritárias de ação dessa gestão?

Fundamentalmente, o desejo de trabalharmos coletivamente com a comunidade e em prol da mesma no atual delicado momento político brasileiro, de arroubos autoritários, ameaças e ataques ao livre pensar, às suas instituições e à produção do conhecimento. Assim, reforçamos nosso compromisso com a defesa de uma Ciência Política plural (teórica e metodologicamente), democrática e inclusiva.

Nessa direção, alguns dos eixos centrais da gestão são a realização de cursos – das diferentes subáreas de conhecimento da Ciência Política – em plataformas digitais, animar a filiação de novas(os) pesquisadoras(es) e a participação de todos os membros nos processos deliberativos (a Associação deve ser percebida pela(o) associada(o) como muito mais do que uma mera promotora de Encontros bienais), a promoção da abertura do debate sobre a profissionalização da Ciência Política e da atividade do cientista político, a aproximação dos PPGs em Ciência Política com o ensino de graduação na área, entre outros.

Desde uma perspectiva regional, quais seriam os principais desafios colocados hoje para o fortalecimento da Ciência Política?

Eles são complexos e de não simples resolução – haja vista que a Região Sudeste concentra maior número de instituições da Ciência Política do país, ainda que desigualmente distribuída –, mas poderíamos resumi-los à criação de um canal de comunicação direta com a diretoria da Regional Sudeste, indução de encontros acadêmicos em universidades fora dos centros principais ou metropolitanos (entre eles, a realização do “Fórum Sudeste de Pós-Graduandos em Ciência Política”, com o propósito de avançar a descentralização e interiorização das atividades da ABCP), criação de redes de comunicação entre acadêmicos e grupos de pesquisa integrando as(os) filiadas(os) da Associação por meio de participação online e offline no debate público (fomentando um espaço interativo regional e a consolidação de redes de pesquisa), e articulação da Regional Sudeste com as demais diretorias regionais do país e na construção de possíveis redes/parcerias internacionais.

E como espera contribuir para responder a esses desafios, a partir da Regional?

Trata-se de um esforço de fôlego, que não se cinge ao simples desejo e vontade dos três diretores da Regional Sudeste em fazer as coisas acontecerem, mas, sim, envolve uma articulação com a comunidade regional de cientistas políticos de uma forma mais ampla e, não menos importante, um forte diálogo com a direção nacional da ABCP na busca por construir soluções consorciadas e viabilizar meios materiais para a concretização dos objetivos e desafios acima elencados.