Projeto mostra contribuições das mulheres para a construção da Ciência Política no Brasil

Com 30 entrevistas publicadas, o Projeto “Mulheres na Ciência Política” resgata a memória institucional da Ciência Política brasileira à luz da contribuição de mulheres de diferentes gerações e regiões do país para o desenvolvimento da disciplina.


A Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP) tem um compromisso histórico com a compreensão e o aprimoramento da Ciência Política no Brasil. É neste sentido que, no momento atual, se volta para as relações de gênero e analisa as diferentes formas como essas relações estruturam os contornos do nosso campo disciplinar e o exercício da profissão. 

O Projeto Mulheres na Ciência Política se iniciou em 2018. Uma de suas frentes, desenvolvida ao longo de 2019, foi a realização de entrevistas com mulheres que atuam na área. São mulheres de diferentes gerações e regiões do país, cujas trajetórias denotam forte compromisso com a construção e consolidação da Ciência Política, por meio das atividades de pesquisa, de ensino e do desempenho de funções administrativas em diferentes âmbitos.
Ao todo, foram 30 entrevistas realizadas por 23 entrevistadoras, também da área de Ciência Política, com afinidades teóricas e, em muitos casos, parcerias e proximidade com as entrevistadas.

"É imensa nossa alegria com a publicação das entrevistas! Trinta mulheres. De diferentes gerações, origens e estados. Em comum: foram e/ ou são, no Brasil, peças chave da institucionalização e expansão recente da Ciência Política. Pela primeira vez, no projeto Mulheres na Ciência Política, da ABCP, a disciplina e sua história no país são abordadas a partir de experiências e pontos de vista femininos. Diante do momento em que vivemos no Brasil, quando a naturalização de desigualdades de várias ordens é reforçada, esse material ganha um significado especial ao valorizar o protagonismo das mulheres e provocar uma discussão sobre as relações entre gênero, democracia e prática profissional”, apontam as coordenadoras do projeto Cristina Buarque de Holanda e Carla Almeida.

Para além da visibilidade, o objetivo do projeto é contribuir para a reflexão sobre relações de poder no próprio campo. As entrevistas, assim como o livro “Mulheres, poder e Ciência Política”, organizado pelas coordenadoras do projeto e que será publicado pela Editora da Unicamp no ano de 2020, oferecem diferentes tipos de dados e experiências narradas que permitem identificar vieses e problemas que merecem nossa atenção.

“Nosso objetivo é duplo. Por um lado, buscamos dar continuidade a esforços das diretorias que nos precederam no sentido de resgatar nossa memória institucional. Por outro lado, queremos evidenciar a contribuição das mulheres na construção dos alicerces de nossa disciplina, algo nem sempre devidamente considerado”, conta a Diretoria em comunicado sobre o projeto.

Acesse os conteúdos das entrevistas