Nota a respeito das conduções coercitivas realizadas na UFMG

A diretoria da ABCP vem manifestar a sua profunda preocupação com os fatos ocorridos hoje, dia 6, na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), quando a Polícia Federal conduziu coercitivamente, entre outras pessoas, o professor Jaime Arturo Ramirez e a professora Sandra Goulart Almeida, respectivamente, Reitor e futura Reitora eleita daquela Universidade. Assim como já ocorreu em outras circunstâncias, tais operações têm sido feitas de forma espetacular e midiática. A diretoria da ABCP defende que qualquer suspeita deve ser investigada, mas demanda, em nome do Estado Democrático de Direito, que nenhum processo de investigação, por mais justificável que seja, ocorra em detrimento do principio basilar da presunção de inocência.